28 Jan. 2019

Notícias

Mochilas e Dor Lombar: verdade ou mito?

Hoje falamos de um tema muito debatido – as mochilas.

Perceber primeiro a importância que este tema – ou pelo menos a assumida consequência – tem na sociedade actual. A dor lombar, que se pensa ter uma associação ao peso excessivo das mochilas, é uma disfunção muito presente nas crianças e adolescentes.

Em termos sociais, este facto, oferece-nos uma problemática muito grande. Primeiro a disfuncionalidade que esta disfunção trás às crianças, pela obrigação de ausência à escola ou outras actividades extra-curriculares, mas acima de tudo por ser um factor de predisposição a dor crónica lombar quando em idade adulta.

A assunção que o peso (excessivo) da mochila poderá provocar dor lombar nas crianças e adolescente é já antiga, de tal forma que as recomendações se prendem no carregamento máximo de mochilas com carga até 5-15% do peso corporal (dependendo da associação/organização).

Mas será que a carga da mochila terá uma correlação directa com maior prevalência de sintomatologia na região lombar? A verdade é que apesar de alguns estudos, de menor qualidade, apresentarem esta conclusão a evidência científica sobre esta temática é inconclusiva.

Apesar disso, estudos com maior nível de qualidade começam a não conseguir correlacionar o peso da mochila com a sintomatologia, ligando-a por sua vez com outros factores biopsicossociais. Aparentemente, ser do sexo feminino, consumir tabaco, de idade mais tardia, com maior índice de massa gorda, maior altura, viver num ambiente urbano apresenta uma correlação maior com a dor do que propriamente a carga movida na mochila.

Mais, novos estudos que correlacionam a influência do peso da mochila na sintomatologia da região lombar, não falam da sua carga absoluta (o peso realmente movido) mas sim do peso percepcionado pela criança (a sensação de peso seja qual for a carga movida). Ou seja, facilmente conseguimos perceber que crianças mais descondicionadas fisicamente poderão ter mais problemas a carregar o mesmo peso na mochila comparativamente às crianças mais condicionadas – o que na teoria deita por terra a hipótese de sugerir cargas relativas ao peso da criança.

Além disso, já alguns estudos correlacionaram a falta de capacidade de produção de força com a maior prevalência de dor na região lombar, possivelmente, causada pelo transporte de mochilas com maior carga.

Mas então os factores que levam a maior dor de região lombar são todos relacionados com factores físicos? A verdade é que parece que não, outros factores psicossociais parecem estar envolvidos. Isto é provado pois apesar de estudos demonstrarem que o tempo com a mochila às costas ser indicador de maior prevalência da condição, os estudantes que moram em zonas rurais – que apresentavam maior tempo de carregamento de mochilas – eram também aqueles que apresentavam menores queixas demonstrando que o contexto de residência urbana traria condições psicossociais não-óptimas para a percepção de dor lombar.

Também interessante é perceber, que apesar de se achar (socialmente) haver uma correlação directa entre peso carregado e dor a verdade é que na progressão na vida académica acaba por haver um aumento de peso médio carregado na mochila, quando, na fase mais avançada da adolescência há um decréscimo substancial do mesmo. Ou seja, quando os jovens estão mais próximos da idade adulta, carregam menos peso absoluto e relativo à sua composição corporal. Ainda assim, estudos mostram que apesar da carga ser substancialmente menor a prevalência de dor é maior nesta faixa etária – deitando, mais uma vez, por terra a correlação entre peso da mochila e dor lombar.

Ser mulher é também um factor de risco associado, ou seja, provavelmente pelas alterações hormonais e antropométricas a mulher não está tão preparada para carregar determinada carga comparativamente aos homens.

O que podemos retirar deste resumo de evidência científica é: o peso absoluto não aparenta causar qualquer tipo de dor lombar; a percepção de peso poderá ser um factor negativamente influente, por debilidade física; há questões psicossociais associadas à percepção de dor lombar nesta faixa etária.

Está também descrito, em alguns estudos, que a utilização de cacifos se na teoria parecem funcionar não parecem ser úteis no sentido logístico. O tempo médio de passagem de espaço de uma aula para outra não parece ser o suficiente para a utilização destes equipamentos, não aparentando ser a solução para esta problemática tão séria para as crianças e sociedade.

Desta maneira, parece que a melhor solução é preparar as crianças para a tarefa de carregar peso, melhorar a sua condição física e estimular estilos de vida saudáveis (não fumar, boa alimentação e actividade física). Assim, após treino a percepção de carga carregada na mochila será sempre menor e a capacidade de produção de força será maior e mais resistente permitindo que a deambulação com mochila seja feita por mais tempo e sem sintomatologia.

Na FISIOGlobal somos especialistas na preparação de todos os indivíduos em qualquer faixa etária para as suas tarefas específicas e saúde em geral. Se pretende o melhor para o seu filho, procure-nos.


 

Adeyemi, A. J., Rohani, J. M., & Abdul Rani, M. R. (2017). Backpack-back pain complexity
and the need for multifactorial safe weight recommendation. Applied Ergonomics,
58, 573–582. https://doi.org/10.1016/j.apergo.2016.04.009
Amyra Natasha, A., Ahmad Syukri, A., Siti Nor Diana, M. K., Ima-Nirwana, S., & Chin, K.-
Y. (2018). The association between backpack use and low back pain among pre-
university students: A pilot study. Journal of Taibah University Medical Sciences,
13(2), 205–209. https://doi.org/10.1016/j.jtumed.2017.06.005
Aprile, I., Di Stasio, E., Vincenzi, M. T., Arezzo, M. F., De Santis, F., Mosca, R., … Padua,
L. (2016). The relationship between back pain and schoolbag use: a cross-sectional
study of 5,318 Italian students. The Spine Journal, 16(6), 748–755.
https://doi.org/10.1016/j.spinee.2016.01.214
Gupta, B. D., Aggarwal, S., Gupta, B., Gupta, M., & Gupta, N. (2013). Effect of Deep
Cervical Flexor Training vs. Conventional Isometric Training on Forward Head
Posture, Pain, Neck Disability Index In Dentists Suffering from Chronic Neck Pain.
Journal of clinical and diagnostic research?: JCDR, 7(10), 2261–2264.
https://doi.org/10.7860/JCDR/2013/6072.3487
Gupta, I., Kalra, P., & Iqbal, R. (2017). Physiological Effects of Backpack Packing,
Wearing and Carrying on School Going Children. Em A. Chakrabarti & D.
Chakrabarti (Eds.), Research into Design for Communities, Volume 1 (pp.
813–822). Springer Singapore.
Gupta, I., Kalra, P., & Iqbal, R. (2018). Physiological and Biomechanical Responses in
Male Schoolgoing Children Using Frameless and Internal Frame Backpacks.
Journal of Medical and Biological Engineering. https://doi.org/10.1007/s40846-018-
0432-8
Ibrahim, A. (2015). Backpack carrying effect on children balance. World Confederation for
Physical Therapy Congress 2015 Abstracts, Singapore, 1-4 May 2015, 101, e635.
https://doi.org/10.1016/j.physio.2015.03.3464
Kamper, S. J., Yamato, T. P., & Williams, C. M. (2016). The prevalence, risk factors,
prognosis and treatment for back pain in children and adolescents: An overview of
systematic reviews. Back Pain, 30(6), 1021–1036.
https://doi.org/10.1016/j.berh.2017.04.003
M. R., H. F., P. J., W., M., W., & J. E., A. (2015). The Relationship between Carrying
Activity and Low Back Pain: A Critical Review of Biomechanics Studies. Jurnal
Sains Kesihatan Malaysia (Malaysian Journal of Health Sciences); Vol 13, No 2
(2015). Obtido de http://ejournal.ukm.my/jskm/article/view/10814/3523
MacCabe, A., Berg, P., & Arnott, M. (2017). Adolescent Back Pain and Associated
Backpack Loading, Locker Use, and Online Textbook Alternatives (Vol. In Press).
https://doi.org/10.5812/intjsh.12612
Macedo, R. B., Coelho-e-Silva, M. J., Sousa, N. F., Valente-dos-Santos, J., Machado-
Rodrigues, A. M., Cumming, S. P., … Martins, R. A. (2015). Quality of life, school
backpack weight, and nonspecific low back pain in children and adolescents. Jornal
de Pediatria (Versão em Português), 91(3), 263–269.
https://doi.org/10.1016/j.jpedp.2015.03.001
Negrini, S., & Carabalona, R. (2002). Backpacks on! Schoolchildren’s Perceptions of Load,
Associations With Back Pain and Factors Determining the Load. Spine, 27(2).
Obtido de
https://journals.lww.com/spinejournal/Fulltext/2002/01150/Backpacks_on__Schoolc
hildren_s_Perceptions_of.14.aspx
Yamato, T. P., Maher, C. G., Traeger, A. C., Wiliams, C. M., & Kamper, S. J. (2018). Do
schoolbags cause back pain in children and adolescents? A systematic review.
British Journal of Sports Medicine, 52(19), 1241. https://doi.org/10.1136/bjsports-
2017-098927