19 Set. 2019

Notícias

PEACE & LOVE

 

Ao longo dos anos assistimos a várias propostas para gestão de lesões dos tecidos moles em fase aguda.

 

O objectivo do presente artigo passa por apresentar a evolução dos princípios que estão na base da gestão da lesão aguda e clarificar algumas questões frequentes como:

  1. Devo fazer gelo ou calor? Durante quantos dias?
  2. Devo fazer repouso ou devo realizar movimentos?
  3. Devo tomar anti-inflamatórios?
  4. Devo fazer elevação do membro lesado?
  5. (…)

 

Desde sempre, foram propostos acrónimos (em inglês) sobre os princípios que deveriam reger a gestão da lesão em fase aguda. Abaixo apresenta-se o acrónimo mais antigo que se conhece até ao que,  à data de hoje,  é considerado o mais actual e suportado por evidência científica.

 

ICE =  A única recomendação passava exclusivamente pela aplicação de gelo.

 

RICE (Rest + Ice + Compression + Elevation) = Ao gelo, já antes proposto, sugeriu-se a inclusão de Repouso [movimentar o menos possível o segmento lesado], Compressão [na região lesada para melhor se gerir uma possível formação de edema/inchaço] e Elevação [auxílio na drenagem do edema/inchaço].

 

PRICE (Protection + Rest + Ice + Compression + Elevation) = Posteriormente acrescentou-se o termo Protecção [que previa a realização por exemplo de ligadura funcional que limitasse parcialmente os movimentos da articulação]

 

POLICE (Protection + Optimal + Load + Ice + Compression + Elevation) = Até há pouco tempo o acrónimo POLICE era o mais comumente utilizado, e comparativamente ao anterior, teve a inclusão de “carga ótima” (Optimal + Load) e retirou-se o repouso (Rest).

 

Advogava-se, portanto, que o repouso total era contraproducente e que assim que fosse possível o utente devia realizar carga selectiva e adequada à fase da lesão em que o sujeito se encontrasse.

 

Os autores exaltam ainda a importância dos factores psico-sociais, além dos biológicos (tríada bio-pico-social) como determinantes na gestão de quadros dolorosos, mesmo em fases agudas.

 

Na sequência surge uma nova proposta, a mais recente até ao momento, que recebe o nome de PEACE [referente à fase aguda da lesão] e LOVE [referente aos momentos que se seguem à fase aguda].

 

PEACE (Protection + Elevation + Avoid Anti-inflamatories modalities + Compression + Educate) = Aqui na fase aguda a protecção, elevação e compressão continua a merecer destaque, acrescentando-se porém o Avoid Anti-inflamatories modalities [evitar a toma de anti-inflamatórios, uma vez que se tornam prejudiciais pois atrasam ou interrompem o processo natural de cicatrização].

 

Mesmo a aplicação de crioterapia (gelo) é questionada pelos autores. Primeiro, porque não há evidência robusta sobre a sua eficácia no tratamento de lesões de tecidos moles, e segundo porque pode também potencialmente interrompem o processo inflamatório, que é absolutamente vital para o normal processo de cicatrização, a formação de novos vasos sanguíneos e a consequente re-vascularização da zona.

Acrescentou-se ainda um segundo “E” de “Educação” [pretende-se alertar para a necessidade de educar o paciente sobre os mecanismos que justificam a presença de dor e como esta se processa e ainda alertar que uma abordagem activa (incluindo exercício) apresenta resultados mais consistentes e positivos que uma abordagem exclusivamente passiva (eletroterapia, terapia manual, etc).

Nas 24 a 48 horas pós lesão, os tecidos moles necessitam de LOVE (Load + Optimism + Vascularization + Exercise) = “L” corresponde a “Carga” [uma abordagem activa é benéfica, e o stress mecânico, controlado para não agravar a condição, que advém desta carga, deve ser incorporado o mais cedo possível para oferecer maior resiliência às estruturas que sofreram lesão].

“O” corresponde a “Optimismo” [tal como na parte da educação, o profissional de saúde deve explicar ao utente que apresentar competências sólidas em termos emocionais, apresenta-se como uma vantagem para debelar lesões em fase aguda. Estados de cinesiofobia (medo do movimento), depressão, baixa-autoestima, ansiedade, catastrofização (pensamento que sobrestima o negativismo de uma situação) etc., levam a um pior prognóstico e os resultados nunca serão tão optimizados comparativamente aos sujeitos que se apresentam optimistas e Realistas.

“V” de “Vascularização” [Mobilização precoce do segmento lesionado e actividades aeróbias melhoraram a função e aumentam o aporte sanguíneo local, o que significa que mais oxigénio e nutrientes serão mobilizados para a região lesionada. Por exemplo, numa fase inicial de um entorse do tornozelo, realizar actividades como bicicleta (se tolerável) ou remo (sem o apoio do pé lesionado), são bons exemplos de actividades aeróbias em descarga.

“E” de “Exercício” [Ponto crucial, pois a evidência científica neste ponto é inequívoca. Quanto mais cedo se iniciar o exercício de forma controlada, maior será o potencial de recuperar a mobilidade, força, equilíbrio e controlo motor que se perderam aquando da lesão. Para além disto, o retorno à actividade será mais rápido e o risco de sequelas e recidivas fica bastante diminuído.

 

Bibliografia

[1]        van den Bekerom MPJ, Struijs PAA, Blankevoort L, et al. What is the evidence for rest, ice, compression, and elevation therapy in the treatment of ankle sprains in adults. J Athl Train2012;47: 435-43.

[2]        Bleakley CM, Glasgow PD, Phillips N, et al. Guidelines on the management of acute soft tissue injury using protection rest ice compression and elevation. London: ACPSM, 2011.

[3]        Bleakley CM, Glasgow P, MacAuley DC. Price needs updating, should we call the police? Br J Sports Med2012;46: 220-1.

[4]        Vuurberg G, Hoorntje A, Wink LM, et al. Diagnosis, treatment and prevention of ankle sprains: Update of an evidence-based clinical guideline. Br J Sports Med2018;52: 956.

[5]        Doherty C, Bleakley C, Delahunt E, et al. Treatment and prevention of acute and recurrent ankle sprain: An overview of systematic reviews with meta-analysis. Br J Sports Med2017;51: 113-25.

[6]        Duchesne E, Dufresne SS, Dumont NA. Impact of inflammation and anti-inflammatory modalities on skeletal muscle healing: From fundamental research to the clinic. Phys Ther Sport2017;97: 807-17.

[7]        Yerhot P, Stensrud T, Wienkers B, et al. The efficacy of cryotherapy for improving functional outcomes following lateral ankle sprains. Ann Sports Med Res2015;2: 1015.

[8]        Singh DP, Barani Lonbani Z, Woodruff MA, et al. Effects of topical icing on inflammation, angiogenesis, revascularization, and myofiber regeneration in skeletal muscle following contusion injury. Front Physiol2017;8: 93.

[9]        Hansrani V, Khanbhai M, Bhandari S, et al. The role of compression in the management of soft tissue ankle injuries: A systematic review. Eur J Orthop Surg Traumatol2015;25: 987-95.

[10]      Bleakley CM, O’Connor SR, Tully MA, et al. Effect of accelerated rehabilitation on function after ankle sprain: Randomised controlled trial. BMJ2010;340: c1964.

[11]      Kim TH, Lee MS, Kim KH, et al. Acupuncture for treating acute ankle sprains in adults. Cochrane Database Syst Rev2014;6: CD009065.

[12]      Lewis J, O’Sullivan P. Is it time to reframe how we care for people with non-traumatic musculoskeletal pain? Br J Sports Med2018;epub ahead of print, 25 June 2018.

[13]      Graves JM, Fulton-Kehoe D, Jarvik JG, et al. Health care utilization and costs associated with adherence to clinical practice guidelines for early magnetic resonance imaging among workers with acute occupational low back pain. Health Serv Res2014;49: 645-65.

[14]      Webster BS, Choi Y, Bauer AZ, et al. The cascade of medical services and associated longitudinal costs due to nonadherent magnetic resonance imaging for low back pain. Spine2014;39: 1433-40.

[15]      Khan KM, Scott A. Mechanotherapy: How physical therapists’ prescription of exercise promotes tissue repair. Br J Sports Med2009;43: 247-52.

[16]      Lin I, Wiles L, Waller R, et al. What does best practice care for musculoskeletal pain look like? Eleven consistent recommendations from high-quality clinical practice guidelines: Systematic review. Br J Sports Med2019;Epub ahead of print; 2019 Mar 2.

[17]      Roy JS, Bouyer LJ, Langevin P, et al. Beyond the joint: The role of central nervous system reorganizations in chronic musculoskeletal disorders. J Orthop Sports Phys Ther2017;47: 817-21.

[18]      Briet JP, Houwert RM, Hageman MGJS, et al. Factors associated with pain intensity and physical limitations after lateral ankle sprains. Injury2016;47: 2565-9.

[19]      Bialosky JE, Bishop MD, Cleland JA. Individual expectation: An overlooked, but pertinent, factor in the treatment of individuals experiencing musculoskeletal pain. Phys Ther2010;90: 1345-55.

[20]      Sculco AD, Paup DC, Fernhall B, et al. Effects of aerobic exercise on low back pain patients in treatment. Spine J2001;1: 95-101.